sábado, 27 de abril de 2013

Campeonato Gaúcho Atual...Autêntico?

O Campeonato Gaúcho de Futebol, conhecido como "Gauchão", é disputado anualmente no estado do Rio Grande do Sul, sendo um dos mais antigos do Brasil. Iniciou-se em 1919, por iniciativa da recém-criada FRGD (Federação Rio-grandense de Desportos), então presidida por Aurélio de Lima Py. Desde então, o Campeonato Gaúcho só não foi disputado nos anos de 1923 e 1924, devido à Revolução Federalista.

Nos anos 1940, com a profissionalização do futebol do estado, a FRGD dividiu-se, e o Campeonato Gaúcho passou a ser organizado por sua sucessora específica, a FRGF (Federação Rio-grandense de Futebol), que só na década de 1960 ganhou sua denominação atual de FGF (Federação Gaúcha de Futebol) .


Histórico

Campeonato por regiões

Até 1960, o Campeonato Gaúcho era disputado por regiões, em sistema eliminatório, entre o campeão da capital e um número variável de outros clubes representantes de regiões do estado. Por isso, até 1960, nunca houve mais de uma equipe de Porto Alegre entre os quatro primeiros colocados - na verdade, nunca houve mais de um representante da capital disputando o campeonato.

Neste período, o Grêmio chegou 18 vezes à final contra o campeão do interior, tendo vencido 12 confrontos e perdido 6 vezes. Já o Internacional foi campeão portoalegrense em 16 temporadas - e, ao enfrentar o campeão do interior, venceu 15 vezes e perdeu apenas uma - contra o Rio Grande, em 1936. Os outros clubes portoalegrenses que chegaram às finais do Campeonato Gaúcho por regiões (Americano-RS em 1928, Cruzeiro-RS em 1929 e Renner em 1954) também venceram seus confrontos contra os clubes do interior.

Portanto, em 42 anos de campeonato neste formato, foram 30 vitórias da capital contra 7 do interior. O Campeonato Gaúcho não foi disputado nos anos de 1923 e 1924, por causa da Revolução de 1923. E não teve participação das principais equipes de Porto Alegre nos anos de 1937, 1938 e 1939, por causa da cisão ocorrida na AMGEA (Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Athleticos) em função da adoção de relações de profissionalismo entre os clubes e seus jogadores.
Campeonato unificado

A partir de 1961 o Campeonato Gaúcho foi unificado, com os principais clubes da capital e do interior disputando o título da divisão principal e um sistema (variável ao longo do tempo) de acesso e descenso para as divisões inferiores.

Nos primeiros sete anos após a unificação (1961-67), o Campeonato Gaúcho foi disputado por 12 clubes, no sistema de "todos contra todos" ("pontos corridos") em dois turnos. Entre 1968 e 1971, com o aumento do número de clubes para 18 (depois 25 e 23), passou a haver uma fase preliminar, classificatória; mas a fase final, disputada por 8 clubes, seguiu sendo em 2 turnos, todos contra todos. Em 1972 a fase final teve 10 clubes, no mesmo sistema de disputa 3 .

Em 1973-74, com o aumento do período do ano reservado ao Campeonato Brasileiro, a fase preliminar do Gauchão deixou de contar com a dupla grenal - e a fase final, pela primeira vez, foi disputada no sistema "Fórmula Fraga", com dois turnos independentes. Em 1975-77 a "Fórmula Fraga" tornou-se mais complexa, com três fases independentes, porém com o primeiro turno sendo classificatório para os demais, que seriam disputados por apenas 4 equipes (8 em 1977). Para 1978, a fórmula do campeonato foi tão complicada que o Grêmio se viu na obrigação de perder um jogo para garantir a sua classificação à fase final .

No período 1979-90, o Campeonato Gaúcho voltou a ser disputado no sistema de "pontos corridos", em dois turnos, com 4, 6 ou 8 clubes; mas com uma fase classificatória com 12 a 20 clubes, disputada de formas variadas, e que valia uma quantidade também variada de pontos extras para a fase final. A exceção deste período foi o campeonato de 1985, em que voltou a ser empregada a "Fórmula Fraga". Em 1989, cumprindo uma determinação experimental da Fifa (que já havia sido aplicada no Campeonato Brasileiro do ano anterior), o Campeonato Gaúcho não teve empates: os jogos que terminassem empatados foram, por regulamento, decididos em disputa de pênaltis .

Em 1991-92, pela primeira vez desde a unificação, a fórmula do Campeonato Gaúcho previa necessariamente uma final, já que havia uma fase classificatória com 20 a 22 clubes, uma fase intermediária com 8 clubes divididos em 2 grupos e uma final, em melhor de três, entre os vencedores de cada grupo. Em 1993, voltou o sistema dos anos 1980, com uma grande fase classificatória e um octogonal decidido em pontos corridos. Em 1994, o gauchão voltou a ser disputado no sistema de "todos contra todos", mas com 23 clubes, num total de 44 rodadas, de março a dezembro, intercalado com o Campeonato Brasileiro e outras competições .

A partir de 1995, por determinação da Fifa, também no Campeonato Gaúcho as vitórias passaram a valer 3 pontos. Mas isso apenas na fase classificatória, disputada entre 14 a 18 equipes, porque no período 1995-99 o Gauchão foi decidido numa fase eliminatória, com semifinais e final em jogos de ida-e-volta, incluindo-se quartas de final em 1998 e 1999. Variações deste sistema voltaram a ser usadas entre 2002 e 2008. Porém, antes disso, os campeonatos gaúchos de 2000 e 2001 voltaram a ter uma fase classificatória e dois turnos finais em "Fórmula Fraga", com 8 equipes.

Em 2009, o Campeonato Gaúcho adotou o sistema carioca de duas "taças" independentes, cada uma delas decidida de forma eliminatória, e uma decisão final em ida-e-volta se houver dois vencedores. Estas competições parciais, a princípio, se chamaram Taça Fernando Carvalho e Taça Fábio Koff, em homenagem aos ex-presidentes da dupla grenal, mas em 2011 passaram a se chamar Taça Piratini e Taça Farroupilha.

> O Campeonato Gaúcho, infelizmente vem sendo direcionado, em motivação de interesses financeiros e principalmente na edição de notícias, realizadas através de uma empresa patrocinadora que predomina a informação na capital e também no estado, essa questão de imparcialidade é notada com relação ao tratamento nas matérias, que são apresentadas em todas as programações de esporte da emissora, que obtem esse patrocínio, em razão desses interesses, criando submissão e manipulação em determinados eventos(partidas), buscando sempre uma supremacía direcionada para um clube, agindo assim infelizmente, contra o esporte limpo e saúdavel, que é o que devemos pregar e praticar.(Fonte:PDF)

Nenhum comentário:

Postar um comentário